terça-feira, 27 de abril de 2010

O que é Síndrome Alcoólica Fetal (SAF)?

A Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) é uma doença causada pelo consumo de álcool pelas mulheres grávidas. Quando a futura mãe bebe, o álcool é passado para a criança pela placenta e, pode ter muitos efeitos tóxicos. A bebida alcoólica prejudica algumas áreas do cérebro do bebê e compromete funções importantes como o equilíbrio, aprendizado e memória e o relacionamento social.

A SAF tem vários níveis de gravidade. A doença provoca desde alterações no rosto, até atraso no crescimento, má coordenação motora, retardo mental, dificuldade de aprendizado, memória e de relacionamento. As alterações corporais são menos percebidas quando a criança cresce, mas também podem aparecer vários efeitos, tais como: hiperatividade, impaciência, falta de concentração, raciocínio deficiente e memória prejudicada. O conjunto de sintomas chama-se Efeito Alcoólico Fetal (EAF).Se não for ajudada, as crianças podem crescer isoladas e com uma baixa-estima, entre outras alterações.

As pessoas com SAF ou EAF podem não saber lidar com dinheiro, tem dificuldade para diferenciar o que é certo ou errado, não conseguem aprender com a experiência, e vivem repetindo os mesmos erros. Além disso, elas também não conseguem controlar suas próprias emoções, por isso podem ser do tipo "pavio curto", têm mais chance de fazer amizades com gente desconhecida e mal-intencionada, pois não percebem que o caráter dessas pessoas é ruim. Frustradas, muitas vítimas da SAF/ EAF abandonam os estudos, caem na marginalidade e acabam usando drogas ou roubam por não aprender com as experiências vividas.

Ao contrário do que muita gente pensa, todos esses sintomas não são "problemas de comportamento", mas sinais de danos permanentes do cérebro. As vítimas da SAF e EAF, não agem desse jeito por querer! Mas nem eles nem suas famílias suspeitam disso. Algumas escolas também rotulam as crianças com SAF de "analfabetas" ou "mal-educadas", sem ter conhecimento da grave doença que elas enfrentam. Por isso, vamos ficar atentos!

Áreas do Cérebro Afetadas

O fato da mulher grávida ingerir álcool durante a gestação pode afetar algumas áreas do cérebro do bebê:

- Lesões secundárias no cérebro, que é o controle da consciência e dos processos voluntários;
- Hipocampo, responsável pela emoção e memória;
- Gangliabasal, responsável pelo movimento e cognição;
- Cerebelo, responsável pelo equilíbrio, postura e coordenação;
- Hipotálamo, que é a manutenção do equilíbrio das funções do organismo;
- Tálamo, responsável pelo fornecimento de informações ao córtex;
- Córtex, cuida das funções psíquicas superiores;
- Área Septal, responsável pela emoção;
- Corpo Caloso, responsável pela ligação entre os seus dois hemisférios.



No crânio normal podemos detectar o corpo caloso intacto, e nos outros não o localizamos devido o álcool durante a gravidez.

Características da SAF


Efeitos do Álcool na Gravidez

- Dificuldade de atenção e memória.
- Amizade imprópia com desconhecidos.
- Falta de controle sobre as emoções.
- Dificuldade de aprender com as consequências.
- Hiperatividade.
- Habilidades pobres de resolver problemas.
- Inabilidade de Discernimento do uso do dinheiro.
- Comportamento social imaturo.
- Controle pobre do impulso.
- Julgamento pobre.

Como perceber se uma criança tem SAF/ EAF?

Descobrir se uma criança tem SAF/EAF não é fácil. No nosso país, a maioria das pessoas nunca ouviu falar da doença e até mesmo os profissionais da saúde sabem pouco a respeito. Alguns dos sintomas são dificuldade de crescimento, dificuldade de alimentação e demora a começar a se movimentar, comer, falar. Os bebês podem também ter algumas das seguintes características: baixo peso ao nascer, bochechas achatadas, queixo fino, nariz curto, olhos pequenos e separados demais, phintrun pouco visível e lábio superior fino. Mas, como a criança não apresenta necessariamente todas essas características, é comum que as mães pensem que seus bebês são saudáveis, quando na verdade eles sofrem dos Efeitos do Álcool no Cérebro. Aliás, as alterações físicas causadas pela doença se tornam mais evidentes entre os dois e dez anos. Na adolescência, o que dá para perceber melhor são as dificuldades de aprendizado e comportamento. Por isso, é importante ficar atentos sempre e nunca esconder informações das equipes de saúde. Se o seu filho apresentar problemas e o médico perguntar se você bebeu quando estava grávida, não tenha medo de dizer a verdade. Somente assim você vai poder descobrir se a criança tem SAF/ EAF e conseguir ajudá-la.

Como evitar a SAF/ EAF?

Para evitar a SAF/ EAF, a recomendação é uma só: ficar longe de bebida alcoólica sempre e principalmente durante a gravidez. O perigo é maior nas primeiras semanas, quando os órgãos do bebê ainda estão em formação. Um grande problema é que muitas mulheres acabam se excedendo na bebida justamente nessa fase tão importante, pois ainda não sabem que vão ser mães. Como não existem níveis seguros para o consumo de álcool por quem está grávida, o melhor é cortar a cervejinha, pinga, caipirinha, vinho ou qualquer outro tipo de bebida alcoólica. Quem não conseguir, precisa procurar ajuda médica ou associações como o (AA) Alcoólicos Anônimos e (APCD) Associação Parceria Contra as Drogas.

Como procurar ajuda?

Como a SAF é desconhecida e difícil de identificar, o melhor remédio é a sinceridade. Se durante a gravidez você bebeu e o seu filho apresentou algum dos sintomas que mostramos aqui, procure um posto de saúde e explique a situação ao médico. Quando alguém tem SAF/ EAF ou mostra sinais da doença, mas nunca recebe o diagnóstico, as dificuldades só tendem a aumentar ao longo da vida, causando sofrimento para o doente, sua família e a sociedade ao seu redor.

Quem tem SAF/ EAF provavelmente está recebendo alguma forma de atendimento na área da saúde ou educação especial, levando em conta a doença visível, mas sem saber exatamente o que a criança está sofrendo.

Este grupo desenvolveu um programa de prevenção e conscientização para a população a respeito da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) e seus efeitos colaterais, através da criação de uma peça de teatro itinerante, para jovens e adultos e a produção de uma cartilha informativa.

A ação de prevenção do projeto se estende até a rede pública de saúde, cujo desejo é estabelecer uma rede de prevenção que atingirá a comunidade: jovens e adultos, através das palestras, da cartilha e da peça teatral; e de outro trabalho de prevenção nos postos de saúde durante as consultas das adolescentes, mães ou não, ao ginecologista, e reforçada no trabalho de pré–natal com todo o público feminino.

13 comentários:

julia disse...

Parabéns, gente!

Precisamos (muito!) divulgar o que é SAF (em inglês facilmente encontramos sites que tratam do caso sob as siglas FAS, FASD e FAE).
S.A.F. é uma sentença de vida miserável para o portador/herdeiro dos efeitos do hábito de beber da mãe, através da ingestão do álcool, que passa pela placenta facil e diretamente, e cai nas veias do feto. QUALQUER DOSE É PREJUDICIAL, não há uma qtdade. segura prá não afetar embriões/fetos ou bebês que mamam, pois até o adulto sofre efeitos de doses mínimas. E não há bebida mais leve (no Brasil o teor alcoólico é bem semelhante entre cerveja, vinho, pinga).
Mas muitas mulheres não sabem exatamente o que é, e bebem socialmente, ou ocasionalmente e, algumas sofrem do problema de alcoolismo crônico - nenhuma mãe em sã consciência drogaria seu filho ainda no útero. Todas as mulheres (e familiares, e amigos) devem ser alertados e colaborar com a divulgação dos efeitos devastadores da SAF. A mãe que não conseguir parar de beber DEVE buscar alguma forma de ajuda ou deve ser encaminhada pelo companheiro ao AA, ao médico, ao posto de saúde local, urgentemente. Os pais, avos ou tios que puderem fazer isso pela grávida têm obrigação de fazê-lo, sem falso moralismo, julgamentos preconceituosos ou complexos de culpa ou vergonha. Alcoolismo é doença, mas pode ser tratado e o doente se recuperar! As consequências da bebida (por menos álcool que contenha... é venenosa para o feto) são INCURÁVEIS.
Se quer engravidar PÁRE de beber antes! Se está grávida, PARE AGORA!
A bebida alcóolica, além de várias deficiências físicas (no aspecto e no interior do corpo), causa retardo mental em vários níveis, e é a unica causa de deficiência mental congênita que pode ser total e completamente evitada.

Devemos pressionar o Governo federal, através do Min.Saúde, a urgentemente fazer campanhas de alerta, como fez no caso do HIV.
Eu tb não sabia de nada disso, mas curiosa fui pesquisar e há uns dois anos venho lendo sobre. Há pouco material no Brasil, há muito pouca coisa sendo divulgada e SAF é um problema de saúde caro, doloroso e prá sempre.
O site de vcs era o que estava faltando. Vou divulgá-lo como puder!

Boa sorte, galera.

Jvegga@gmail.com, do Rio-RJ

Anônimo disse...

ABENÇOADAS AS PESSOAS QUE LUTAM POR NOSSAS CRIANÇAS!A 14 ANOS ADOTEI UMA CRIANÇA QUE DESDE CEDO APRESENTOU PROBLEMAS DE COMPORTMENTO. qUANDO ELE FEZ SETE ANOS, COMECEI A INVESTIGAR E TRATÁ-LO PARA HIPERATIVIDADE.DESDE ENTÃO,É UMA LUTA, OS DIAGNÓSTICOS NUNCA FECHAM. uMA VEZ ELE FEZ UM TRATAMENTO NO HC DE BH E OS MÉDICOS SUGERIRAM SAF.iNFELIZMENTE AQUI EM BELO HORIZONTE, OS PSIQUIATRAS E PEDIATRAS TEM DIFICULDADES EM DIAGNOSTICAR CORRETAMENTE AS SINDROMES INFANTIS. GOSTARIA QUE ALGUÉM, TALVES COM A MESMA EXPERIÊNCIA DE ROMARIAS EM MÉDICOS, POSSA ME DAR UMA DICA, UM MÉDICO, UMA CLÍNICA. AO LER O ARTIGO, ACHEI QUE MEU FILHO PREENCHIA 90% DAS CARACTERÍSTICAS. PRECISO DE UM DIAGNÓSTICO CORRETO PARA UM TRATAMENTO CORRETO, E TAMBÉM PARA LUTAR PELOS DIREITOS QUE TEM DE ESTUDAR E TRABALHAR. oBRIGADA!
jÉSSICA-EMAIL:JESS.MAGA@HOTMAIL.COM

Débora e Miriam disse...

Achei muito importante e consciente as palavras que vocês escreveram no blog. Somos estudantes da Faculdade UNASP, campus Engenheiro Coelho e estamos realizando uma pós em inclusão social. Como sou professora tenho uma aluna que possui essa síndrome e sinto que não é um assunto muito divulgado. É necessário que esse assunto seja abordado para que conscientize as pessoas o mal que elas podem causar a elas e as proprias crianças que virão.

Obrigada.

Ana Paula Rodrigues disse...

Achei excelente, é muito importante a informação a respeito da SAF; visto que a maioria das pessoas sequer sabe que essa doença existe, seria bom um trabalho preventivo nas maternidades, escolas, enfim divulgar para que as futuras mamães tenham consciência dos danos ocasionados pelo álcool. Parabéns é um ótimo trabalho!!!

Ana Paula Rodrigues disse...

Achei excelente, é muito importante a informação a respeito da SAF; visto que a maioria das pessoas sequer sabe que essa doença existe, seria bom um trabalho preventivo nas maternidades, escolas, enfim divulgar para que as futuras mamães tenham consciência dos danos ocasionados pelo álcool. Parabéns é um ótimo trabalho!!!

Anônimo disse...

Obrigada por compartilhar as informações sobre SAF! Infelizmente as pobres crianças pagam pelos pecados dos pais.

Anônimo disse...

bebi durante quase toda a minha gravides e se comonao bastasse, tambem bebi na amamentacao ate que com 3 meses de vida do meu bebe resolvi dar leite em po, ele chora muito , muito, mesmo e nao sei o que fazer pois parece que ele sente uma dor ,, nao tenho coragem de falar pra minha medica , gostaria de saber se existe algum tratamento para que ele nao sofra tanto no futuro ou aogora mesmo. agradeco desde ja.

Anônimo disse...

Boa noite! Muito bom o trabalho de vocês... Eu estou cursando psicologia e tenho um trabalho com esse tema, nós temos poucas informações realmente não se fala tanto no Brasil sobre SAF, gostaria de saber se vocês conhessem mais algum material que complemente o assunto. agradeço desde já
meu email é: amyne.rs@hotmail.com

Mônica disse...

BOM DIA!! Essa é a melhor informação sobre a SAF q/ já li. Eu adotei meu filho aos 9 meses de idade, ele pesava apenas 5 kg. era como um rescem-nascido. A biológica era usuária de drogas(crack) e bebia. Meu filho está hoje c/ 6 anos ele apresenta comportamentos do espectro autista, mas um exame genético realizado há 2 anos confirmou a SAF. E realmente é uma sindrome completamente desconhecida tanto na saúde como na educação. Eu levei meu filho numa psiquiatra há 3 semanas e ela me disse q/ nunca tinha ouvido falar sobre SAF, eu achei um completo absurdo, o pior é q/ ela trabalha há 40 ANOS c/ criança!!Infelizmente a SAF ainda é uma incógnita !

Anônimo disse...

Olá,

Sou professora e tenho um aluno diagnosticado com SAF. Ele tem dificuldades com a aprendizagem, concentração e coordenação motora. Ele cursa no momento o 2º ano e já repetiu o 1º ano uma vez. Não consegue nem ler nem escrever sem fazer barulhos (para não escutar os outros colegas) nas sala. Procurei vários sites com atividades extra curriculares para tentar ajudá-lo, mas como já foi comentado nos posts acima ainda é um assunto muito pouco conhecido.
Gostaria de saber se alguém conhece algum site, ou atividades para tentar ajudá-lo no dia-a-dia.

Obrigada

Claudia

claudinha.basilio20@hotmail.com

Anônimo disse...

Parabéns pelo site.
Conheço doi profissionais maravilhosos que conhecem muito sobre SAF. Dra José Salomão Schuartsman e |Dr José Mauro Braz. O 1º em SP o 2º do RJ. É só pesquisar na internet e encontrarão. Abçs

Raquel Vieira disse...

Boa tarde. Sou psicologa, especialista em dependencia Quimica e estudiosa ha muitos anos em SAF, tambem faço parte da equipe Do Dr. Jose Mauro Braz de lima, medico neurocienta, pós graduado na Europa e digamos assim "pai da SAF", pois foi ele ha trinta anos atrás que trouxe a questão a ser discutida no Brasil. Colocamo-nos a disposição para toda e qualquer informação, inclusive para convite de capacitação nessa aréa.
mais informações: https://www.facebook.com/pages/Prof%C2%BA-Jos%C3%A9-Mauro-Braz-de-Lima-MSc-Phd/189206684574465

Bruna disse...

Oi estou fazendo um trabalho para o colegio sobre a SAF , e gostaria que vcs me ajudassem em uma duvida que tenho . As pessoas que tem essa sindrome elas tem o tempo de vida normal , como de outra qualquer ?